Narrow screen resolution Wide screen resolution Auto adjust screen size Increase font size Default font size Decrease font size default style green style red style
Friday 26 May 2017
Você esta em: Inicio arrow Aprenda sobre Hanseníase
Aprenda sobre Hanseníase
Índice de Artigos
Aprenda sobre Hanseníase
Página 2

 

Manifestações clínicas

As formas de manifestação da hanseníase dependem da resposta imune do hospedeiro ao bacilo causador da doença. Esta resposta pode ser verificada através do teste de Mitsuda, que não dá o diagnóstico da doença, apenas avalia a resistência do indivíduo ao bacilo. Um resultado positivo significa boa defesa, um resultado negativo, ausência de defesa e um resultado duvidoso, defesa intermediária. Temos então, as seguintes formas clínicas da doença:

  • Hanseníase indeterminada:
    Forma inicial, evolui espontaneamente para a cura na maioria dos casos e para as outras formas da doença em cerca de 25% dos casos. Geralmente, encontra-se apenas uma lesão, de cor mais clara que a pele normal, com diminuição da sensibilidade. Mais comum em crianças.




     

  • Hanseníase tuberculóide:
    Forma mais benigna e localizada, ocorre em pessoas com alta resistência ao bacilo. As lesões são poucas (ou única), de limites bem definidos e um pouco elevados e com ausência de sensibilidade (dormência). Ocorrem alterações nos nervos próximos à lesão, podendo causar dor, fraqueza e atrofia muscular.



     

  • Hanseníase borderline (ou dimorfa):
    Forma intermediária que é resultado de uma imunidade também intermediária. O número de lesões é maior, formando manchas que podem atingir grandes áreas da pele, envolvendo partes da pele sadia. O acometimento dos nervos é mais extenso.




     

  • Hanseníase virchowiana (ou lepromatosa):
    Nestes casos a imunidade é nula e o bacilo se multiplica muito, levando a um quadro mais grave, com anestesia dos pés e mãos que favorecem os traumatismos e feridas que podem causar deformidades, atrofia muscular, inchaço das pernas e surgimento de lesões elevadas na pele (nódulos). Órgãos internos também são acometidos pela doença.




     

    TEM TRATAMENTO?

    A hanseníase hoje tem cura, e tanto mais rápida quanto mais cedo a doença é detectada. Quando o diagnóstico é feito nas formas não-contagiantes:

    Inicial (mancha no queixo), ou tuberculóide (mancha no braço), a cura é alcançada depois de 6 meses de tratamento regular. É importante saber que pouco depois de iniciado o tratamento os doentes contagiantes deixam de transmitir a doença para outras pessoas.

Leia o conteúdo completo



 

Tradutor de Idiomas